Destaques:

segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Entrevista com a Mattel do Brasil

Setembro é o mês de entrevistas no blog T-Hunted!


E tem uma que é você quem irá fazer: a esperadíssima entrevista com a Mattel do Brasil. Basta elaborar algumas perguntas e colocá-las abaixo, nos comentários deste texto, ou mandar um email para douglas.def@gmail.com.


Essa é a sua chance de tirar todas as suas dúvidas sobre esta empresa tão amada/odiada!


A entrevista completa, com as suas perguntas, deverá ir ao ar no blog até o meio de setembro.


Não perca esta opotunidade única: participe!

Caixa de Classics no Brasil

Acabou de ser divulgado lá nos EUA o que todos esperavam: a caixa comemorativa da série Classics deste ano, que é o último ano dessa maravilhosa série que foi produzida nos últimos 5 anos.

A caixa estará à venda exclusivamente nas lojas Wal Mart nos EUA, e seu preço será de $95.50. A caixa tem todos os 30 modelos lançados neste ano, com carrinhos na sua versão "chase" (a versão mais rara dos Classics, com pneu de borracha), e com pintura exclusiva. E sem dúvida este foi o melhor ano desta série, com vários modelos inéditos e maravilhosos, como o Convoy Custom e o Deco Delivery.

E pra nossa felicidade, essa caixa também estará à venda no Brasil, o único país fora dos EUA que terá esse produto. É uma boa notícia para quem ficou triste por não termos esta série por aqui este ano. Mas é uma má notícia para quem só queria dois ou três modelos desta série. A única opção agora é comprar a caixa toda.

Ainda não sabemos o valor que será vendido por aqui, mas não será barato. A caixa estará disponível nas lojas Collectors mais para o fim do ano.

Eu não sei vocês, mas eu quero uma de presente de Natal!

sábado, 29 de agosto de 2009

Entrevista: João (JAF)


João Alberto Fernandes, mais conhecido em fórums de colecionadores como "JAF", é um colecionador de 32 anos, morador de Ribeirão Preto, São Paulo.


Com uma coleção que já ultrapassa os 4 mil modelos, e colecionando há 14 anos, João possui somente miniaturas que agradam ao gosto dele. E ele não se limita aos Hot Wheels. Está sempre à procura daquela miniatura mais perfeita e mais fiel aos carros que existem no mundo real.


Abaixo a entrevista dele:



Quando você começou a coleção e por que começou?

Eu, desde criança, sempre gostei de miniaturas de veículos, porém, naquela época, as coisas eram mais duras (entenda-se menos grana...) e a gente acabava ganhando elas (1 ou 2 no máximo...) no aniversário, dia das crianças e natal. E, como diziam meus pais, “menino, fique contente pois várias crianças não ganharam nada e você é um privilegiado”.

Resumindo a história, em 1995 eu estava em São Paulo/SP aguardando um avião que ia me levar para passar uma semana de férias no Nordeste e resolvi fazer uma “horinha” no Shopping Anália Franco e ao entrar em uma loja de brinquedos neste Shopping (nem sei porque entrei lá...) me deparei com um expositor carregado de Hot Wheels e Matchbox. Estava cheio de Ferraris, Porsches, Fords, Chevrolets, etc. Fiz a festa! Comprei umas vinte miniaturas naquele dia. Depois disso, uma vez infectado pelo “vírus diecast”, não parei mais (risos).


Qual o tamanho da sua coleção hoje? Você cataloga tudo?

Minha coleção hoje tem cerca de 4.400 miniaturas, nas escalas 1/43 e 1/64. Mas todas “escolhidas”. Eu já comprei muita coisa que hoje reputo como “porcaria”. Inicio de coleção é complicado. Você acaba comprando de tudo. Acha que tem que completar séries, etc. Mas com o tempo, você acaba descobrindo o que realmente gosta e seleciona mais. E, apenas uma observação, isso é mais uma “vantagem” de nosso hobby: a miniatura que você não gosta/acha feia/se arrependeu de ter comprado, sempre terá um colecionador prontinho para “adotá-la”. Eu já devo ter vendido cerca 6.000 miniaturas que eram de minha coleção. Hoje posso dizer que gosto de todas as miniaturas de minha coleção. Sem exceção.

A questão da catalogação, eu faço da seguinte maneira: criei uma comunidade no Orkut chamada “coleção de miniaturas” onde sempre que eu compro uma miniatura, eu posto uma foto, o nome, a série, a cor e o ano da miniatura. Serve como controle de quantidade e espero que ajude a “contaminar” mais pessoas com o “vírus diecast”.

E faço essa catalogação sem “stress”...Apenas como uma coisa minha... Não há rigor/metodologia/etc...

Eu já tentei fazer isso de outras formas (planilhas/cadernos/sites/etc) mas achei esta maneira a que melhor me adaptei.

E ainda tem a questão de não ter custo. Desta forma, sobra mais dinheiro para as miniaturas.



Eu sei que você coleciona várias marcas de miniaturas. Quais são as que você tem? Pode falar um pouco delas? Qual a sua preferida?

Eu coleciono várias marcas. Costumo dizer que minha coleção é “ecumênica” (risos).

Dentre as principais posso citar Hot Wheels, Matchbox, Greenlight, Johnny Lightning, Jada, M2 Machines, Corgi, Schuco, Kyosho, etc.

Falando um pouco delas, a minha preferida é a Greenlight. Pra mim, a melhor relação custo/beneficio que se pode encontrar em miniaturas. São miniaturas de excelente acabamento por um preço razoável.

Tirando ela, temos a Hot Wheels (não é nem de longe a melhor, porém é a marca mais acessível e que possui a maior oferta de modelos), a Matchbox (infelizmente, desde que foi comprada pela Mattel, vem sendo “judiada”, mas ainda é uma boa opção de modelos), a Johnny Lightning (excelente marca, embora já foi melhor), M2 Machines (para mim, mesmo nível da Greenlight, recomendo), a Corgi (miniaturas fantásticas embora com pouca opção na escala 1/64), a Kyosho (ótima marca), a Jada (embora peque na questão de ausência de partes moveis e acabe tunando demais alguns modelos, o que acaba por os descaracterizar), e a Schuco (excelente qualidade).

Fora essas, tem marcas bem legais também como Siku, Ixo, Maisto, Bang, Brumm, Autoart, etc. Eu tenho alguma coisa delas em minha coleção.


Como faz pra armazenar toda a coleção?

Eu, como moro em apartamento, tenho que saber utilizar o espaço.

Um dos quartos do meu apartamento foi transformado em biblioteca (além de miniaturas, gosto de livros e filmes em dvds) e construi uma estante de mogno nas paredes que vai do chão até o teto. A estante foi pensada para livros e tem suas divisões para este formato.

Como a estante é grande, resolvi transformar dois pedaços dela em “garagem” para as miniaturas. Eu contratei um vidraceiro e fiz subdivisões com placas de vidro onde eu armazeno as miniaturas. A coisa se dá no estilo “pátio de montadora” ou seja, uma ao lado da outra. E, mesmo tendo 42 divisões (cada pedaço da estante tem 21 divisões e cada divisão comporta aproximadamente 110/120 miniaturas dependendo do tamanho das mesmas) já está chegando no limite e já estou prevendo que mais uns 6 meses, terei que aumentar a “garagem”, transformando um terceiro pedaço da estante e liberando mais 21 divisões de espaço.

Sorte que ainda tenho uma parede livre no quarto para continuar a estante!



Como você faz pra comprar tantas miniaturas? Pode dar alguma dica para os colecionadores?

Isso é um problema...

Eu, no começo da coleção, comprava tudo em lojas. Com o passar dos tempos, descobri o Mercado Livre, Ebay, Fóruns diversos e a coisa mudou. Novos horizontes surgiram. Passei a comprar apenas a mainline da Hot Wheels nas lojas no Brasil.

Atualmente, com a agonizante situação da distribuição mainline Hot Wheels nas lojas, passei a importar tudo. Hoje, por deficiência da Mattel e de outras empresas que trazem miniaturas para cá, não compro mais nada no mercado nacional.

Faço apenas algumas trocas com amigos e só.

A dica que posso dar para alguém que quer comprar miniaturas é simples: compre apenas o que você gostar. Não se preocupe com séries, fechamento de linhas, etc.

E não tenha pressa. Espere um pouco que o preço sempre cai. Eu costumo esperar cerca de um mês do lançamento das séries para importá-las. Assim, o preço sempre cai um pouquinho.

E, para finalizar, eu uso uma “técnica” infalível para decidir se devo comprar ou não determinada miniatura: eu olho para a miniatura. Se eu precisar olhar novamente para ter certeza que gostei dela, é sinal que não devo comprar. Miniatura, para mim, é paixão a primeira vista. Não se “aprende” a gostar delas com o tempo.

Se eu olhar e tiver que pensar, é sinal que não devo comprar.



Qual a sua, ou as suas miniaturas favoritas? Quais são as mais raras?

Essa questão é fogo. Quase impossível escolher.

Se eu realmente tivesse que escolher apenas um, seria o 67 Camaro da Hot Wheels. Eu gosto demais deste modelo. Acho um belo design e gosto do fato de ser uma miniatura inteira de metal.

Mas o 67 Camaro ganha das outras por apenas “1 milimetro” pois se eu fosse falar todas que eu gosto e o motivo, a lista seria imensa e eu teria que escrever uns 300 modelos diferentes pois cada um tem a sua importância para mim.

Já quanto a raridades, há várias respostas: se eu fosse entender raridade como a miniatura mais antiga que tenho, seria um Matchbox Lesney Volkswagen Microvan de 1957, miniatura de lata. É uma “Kombi” de entrega. Essa é a “anciã” da minha coleção...

Se ficássemos apenas na linha da Hot Wheels, eu diria que no que tange a Redlines, seriam os de 1968 que tenho, em particular o Custom Camaro e o Custom Mustang, que foram as duas primeiras miniaturas produzidas pela Hot Wheels (não se sabe ao certo qual foi a primeira). E se fossemos falar de miniaturas mais recentes da marca, seria o 67 Camaro T-hunt de 1995.

Mas tenho várias outras miniaturas antigas das mais diversas marcas e linhas.



Tem alguma miniatura que você quer muito e ainda não conseguiu?

Tem várias... Tem um Hot Wheels Corvette C6 Real Riders vermelho, acho que é uma promoção da Bowling americana, que sempre perco os leilões dele no Ebay.

Tem um Corgi Aston Martin DB5 do James Bond, uns Schucos antigos, Dinkys, etc.

E várias outras miniaturas, a lista é imensa. Um dia, com calma, eu compro esses “danados” (risadas).



O que você tem achado da postura da Mattel no Brasil para com os colecionadores?

Esse é um ponto que ficou bastante claro para mim e falo sem o menor medo de errar: não existe uma atenção por parte da Mattel para com os colecionadores. No Brasil, o foco da Mattel é nas crianças.

E na minha visão, isso é um enorme erro pois um colecionador bem suprido de produtos, é um perigo para o próprio bolso dele.

Quem já esteve nos EUA e visitou um Kmart, Wal Mart, Target, Toys R'Us, etc, sabe do que estou falando. Até mesmo redes de drogarias americanas como a Walgreens ou CVs dão um verdadeiro “show” no que temos de opção de compra aqui no Brasil.

Eu tenho para mim que comprar miniaturas no Brasil com a intenção de “colecionismo” acabou faz tempo.

A única linha que a Mattel trazia para cá de maneira ininterrupta, era a mainline. Mas de uns tempos para cá, até essa linha está vindo incompleta, chegando-se ao absurdo de serem pulados lotes. Quem coleciona/freqüenta lojas fica triste ao encontrar aqueles mesmos modelos de sempre. Dá até desanimo de procurar novidades...

Diante disso, resolvi que doravante não compro mais nada por aqui. Não vou mais perder meu tempo, gastar combustível, sola de sapato, estacionamento, etc. Compro no Ebay o que eu quero e acabou.

A diferença de tratamento que a “Mattel USA” dá ao seu consumidor é gigantesca. Ela dá opções ao seu consumidor. A “Mattel Brasil” faz exatamente o inverso: não se importa em trazer as miniaturas com a devida regularidade, traz as séries de maneira incompleta, não há uma lógica na distribuição dos produtos no território nacional, as quantidades são insuficientes, os próprios funcionários da Mattel nas grandes lojas separam e escondem miniaturas, etc.

E não adianta falar que essas coisas tem a ver com dificuldades advindas da importação dos produtos para o Brasil, pois estes produtos também são importados para os Estados Unidos. Como lá as coisas podem funcionar e aqui ser o caos? Certamente alguém não está fazendo o seu serviço direito na “Mattel Brasil”.

Uma criança pode não se importar com isso mas pessoas que compram miniaturas com o intuito de colecionar ficam revoltadas com estas atitudes.

Esses fatos acabaram me levando a passar a importar 100% das minhas compras e procurar outras opções de marcas, como por exemplo a Greenlight, que na minha opinião, são bem melhores que as miniaturas da Mattel.



Você é um cara que sempre está presente em fórums e participa muito do que tem acontecido com o colecionismo no Brasil. O que precisa acontecer para o colecionador ser mais respeitado aqui?

Os colecionadores tem que parar de comprar produtos de empresas que não os respeitam.

Veja o meu exemplo: Estou descontente com a “Mattel Brasil”. Eu não compro mais produtos dela aqui. Vou comprar só lá fora.

Talvez assim, quando o pessoal da matriz da Mattel notar que vem diminuindo as vendas de suas filiais e passar a cobrar o motivo, eles acordem do sono profundo em que se encontram.

Não queremos essas porcarias de promoção onde dão “bonés chineses”, “caixinhas plásticas”, “cards”, “adesivos”, etc. Isso podia funcionar com os índios na época do descobrimento do Brasil. Hoje, a coisa mudou.

Queremos miniaturas de verdade nas lojas. E que isso seja feito com regularidade, as séries completas, etc, não a costumeira “bagunça” que a “Mattel do Brasil” faz por aqui.



Tem alguma dica pra dar para aquele colecionador que está
começando agora sua coleção?

Primeiramente, tenha um tema. Se você não tiver, acabará comprando de tudo e gastando mais do que deveria, além de se arrepender de algumas compras.

A minha coleção tem como tema os seguintes segmentos: carros antigos e novos e caminhonetes e caminhões. E me permito alguns modelos ditos “malucos” porque ninguém é de ferro. Mas são poucos os modelos assim. Eu prefiro a fidelidade ao modelo original do que a criação do designer.

Dentro disso, gosto de muscle cars, esportivos, carros que representam uma evolução na história do automobilismo, modelos pioneiros, etc.

E, para terminar a entrevista porque já escrevi muitas bobagens (risadas), compre apenas o que você gosta. A sua coleção deve agradar a você e não aos outros... É isso que importa.


Abraço do Jaf a todos !


sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Novidades 28/08

Acostumem-se: daqui pra frente as novidades da Hot Wheels serão quase sempre sobre a linha de 2010. E isso dá um nó na garganta, porque ainda nem recebemos metade dos modelos de 2009. Mas tudo bem... Enquanto isso, vamos vendo o que está pra sair lá nos EUA.

• Ferrari 512M (2009 HW Special Features): a Ferrari que abre seu capô traseiro para mostrar o motor reaparece em amarelo nesta série da Hot Wheels onde cada modelo tem uma peça móvel.

• Custom '42 Jeep CJ-2A (2009 New Models): o Jeep esquisitão e tunado aparece em nova cor no primeiro lote de caixas de 2010, mas ainda como um modelo da série 2009.

• Custom V8 Vega (2009 New Models): mais uma cor para este modelo, que também estará nas primeiras caixas de 2010 que já chegam nos EUA no final de outubro deste ano.


• 2010 Dream Garage: aos poucos vamos sabendo mais sobre as novas séries de 2010, e vamos nos apaixonando mais. Como já mostrado na semana passada, essa é uma série em homenagem aos designers da Mattel e seus modelos favoritos, como já aconteceu com a série Larry's Garage neste ano, mas agora extendida aos outros desenhistas. Conheça agora mais integrantes desta série: '64 Lincoln, '69 Camaro, Bone Shaker, Purple Passion Woodie e '57 Chevy.

• Ford Panel (2010 HW Delivery Vehicles): mais um integrante de uma nova série de 2010. E como suspeitava-se, trata-se de uma série de vans de entrega de produtos automobilísticos. Dessa vez é uma bela Ford de entrega de pneus BF Goodrich.


• Drag Bus (2009 L.A. Convention): ok, não é um lançamento anunciado hoje, mas é uma notícia fresquinha: mais uma miniatura exclusiva da convenção de Los Angeles. Me diz se não dá vontade de ir lá pagar 20 dólares em uma das 3 mil produzidas só para este evento...


quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Caixas "P" EUA

Chegou às lojas dos EUA mais uma remessa de caixas com modelos da mainline Hot Wheels. Dessa vez são as caixas com código "P".


Os destaques desta caixa ficam por conta dos inéditos Ford GT LM, Corvette C6 (que se revelou um belo Corvette conversível) e do lindo '37 Ford T-Hunt.


Abaixo as fotos dos modelos que você encontraria se abrisse uma dessas caixas.