Destaques:

segunda-feira, 28 de março de 2011

A economia da Mattel

A Hot Wheels é uma das marcas da gigante de brinquedos Mattel, e ela produz miniaturas desde 1968, época em que a gasolina era barata, e o mundo era bem diferente.


Os anos passaram, a inflação subiu, o petróleo e o metal ficaram mais escassos e mais caros, e a China descobriu que seus trabalhadores mereciam um salário um pouco mais alto. Tudo isso e mais outros detalhes fizeram a Mattel rever sua linha de produção de brinquedos, em especial a linha Hot Wheels, que possui uma extensa linha de carrinhos que custam $1.00 cada nos EUA. E para eles custarem tão barato por tantos anos, o pessoal da Mattel teve que fazer algumas "mágicas".


Imagine você que as minis são fabricadas do outro lado do mundo, são transportadas de navio para vários lugares do mundo, e depois são distribuídas em milhares de lojas. Além destes custos, acrescente o custo do pessoal da matriz (designers, engenheiros, etc), o custo de marketing, criação de embalagens, e muitos e muitos mais custos para produzir o carrinho que chega até você com uma qualidade que tem obrigação de ser cada dia melhor para não deixar que concorrentes se apoderem deste mercado.


E para manter o preço estável e continuar dando lucro, a Mattel teve que tomar medidas drásticas de economia, que tem desagradado seus fãs:


- substituição de chassi de metal para chassi de plástico;

- substituição da carroceria de metal para carroceria de plástico;

- eliminação de peças móveis, para baratear o custo de produção e diminuir o risco de processos judiciais com acidentes com crianças;

- "patrocínio" de algumas minis por fabricantes de peças e por marcas variadas de cosumo;

- perda de detalhes de pintura de algumas minis;

- "relaxamento" do controle de qualidade, sendo que tem sido mais comum ver miniaturas com qualidade ruim nas lojas.


Apesar de tantas mudanças, a Hot Wheels continua em apuros dentro da Mattel, com resultados financeiros cada vez piores deixando os acionistas cada vez mais preocupados com seus altos custos. É possível imaginar que nos próximos anos veremos mais cortes como estes de produção, e até um provável aumento de preço nos EUA que refletirá em todo o mundo.


A boa notícia é que o recente aumento nos impostos brasileiros com brinquedos importados não vai impactar no preço das minis da Hot Wheels, mas por outro lado podemos perder algumas linhas colecionáveis.


Veja abaixo dois exemplos recentes que magoaram os colecionadores: o Mustang Funny Car que agora tem o chassi de plástico e não abre mais a carroceria para exibir o seu motor (o modelo passou também por uma atualização, como você pode notar com a primeira versão deste ano em azul na foto acima do cinza mais novo), e a Chevy Panel que chegou na série Garage deste ano sem sua tradicional moto no interior dela. Esses são apenas dois exemplos de vários outros modelos que já passaram por "cortes de custos" nos últimos anos.


4 comentários:

  1. A Chevy panel perdeu só a moto ou a abertura de porta tb ?
    O mustang funny-car ficou horroroso, felizmente eu consegui a versão que considero a mais "simpática" o El-Capataz hehehe
    Mas sobre o corte de custos, é interessante ver que na linha Matchbox está acontecendo, felizmente, o contrário. Como vc mesmo postou há uns dias, os carros estão ficando cada vez mais detalhados. Seria alguma estratégia de reposicionamento das marcas ? Nos EUA os Matchbox básicos são mais caros que os Mainlines da Hot Wheels ?

    ResponderExcluir
  2. Fala Marcelo!

    A Chevy Panel ainda abre a porta traseira (por enquanto), e os Matchbox custam o mesmo que um Hot Wheels nos EUA e em outros mercados ($1,00 nos EUA). Os Matchbox correram um sério risco nos últimos anos de se tornar uma linha apenas infantil, mas algo mudou e agora eles estão mais adultos, com uma linha que agrada mais os colecionadores do que as crianças. Graças a Deus!

    Abraços,
    Douglas

    ResponderExcluir
  3. Sinceramente eu não vejo motivo para tanto drama na questão do corte de custos. O que eu vejo é incoerência na produção. Se tá difícil manter o preço, por que, ao invés de lançarem 200 e tantas miniaturas por ano no mercado, não reduzem esse valor pra 100 ou 150?

    Assim pode-se continuar caprichando nos modelos, mantendo suas características originais e até mesmo aumentando o número de chassis de metal.

    No caso do Mustang Funny Car, eles não só eliminaram a abertura como redesenharam todo o molde. Será que não seria só uma versão alternativa, assim como com o '56 Ford Truck?

    ResponderExcluir
  4. A crise da Mattel pode ser um reflexo da crise nos EUA, mas a empresa está seguindo uma estratégia totalmente errada. Em vez de diminuir a qualidade, o melhor é desenvolver novos mercados, atraí-los com lançamentos e promoções e buscar trazer o melhor para um mercado emergente. Isto é básico. Segundo a Mattel o mercado brasileiro é o segundo maior e o que ela faz? Retira primeiro a linha Matchbox, diminui a qualidade (e com certeza o interesse)da linha Hot Wheels, deixa de trazer todos os modelos da mainline, deixa de importar as linhas mais caprichadas e outras que nunca saíram por aqui.
    Se eu fosse um diretor executivo da empresa reduziria os custos cortando os incompetentes que estão dormindo e sonhando com o passado e ficam de olhos fechados para o futuro.

    por Luiz Begosso

    ResponderExcluir