Coleciona

Destaques:

domingo, 20 de novembro de 2016

A história da M2 Machines

Hoje vamos saber um pouco mais sobre a M2 Machines, uma marca muito querida dos brasileiros e americanos que impressiona pela perfeição e acabamento. O Mauricio Nunes pesquisou tudo sobre a marca, e hoje você conhece um pouco mais dela por aqui! Clique aqui e veja todas as postagens do Mauricio sobre a história do nosso hobby.

Uma das mais novas a entrar no mercado, fundada por Chris Leong em 2007, está baseada em Azusa Califórnia, mas como todas as suas concorrentes, também produz na Ásia para baixar custos. Chris Leong foi o fundador e dono da popular Muscle Machines e hoje é o dono e CEO da Castline Inc. / M2 Machines com faturamento anual estimado de 2,6 milhões de dólares americanos.

Em 2008, a entrada da M2 Machines pela Castline Inc. no mercado foi diferenciada. Ela entrou com o firme propósito de marcar posição e ser diferente das outras já no mercado. Seu foco de entrada no mercado foi com os carros americanos da década de 50 que até aquele momento estavam virtualmente esquecidos pelos outros fabricantes de miniaturas.

Antes da M2, dificilmente se via algum modelo dessa época em escala 1:64 a não ser modelos icônicos como um Bel-Air, mas jamais um Mercury Turnpike. A equipe da Castline, com vasta experiência no mercado automobilístico e no de fundição fez uma extensiva pesquisa no mercado e preparou moldes impecáveis dos clássicos americanos dos anos 50. Modelos em mais de uma cor são frequentes, todos os detalhes como frisos, logotipos, entradas de ar, pintados, ou colados, rodas originais com pneus de borracha, lanternas de lente ou pintadas, faróis de lente, interiores detalhados, assim como os motores, pintados e detalhados. Portas e capôs abrindo nas séries principais.

Ainda em uma boa estratégia de marketing lançou a sua série Clearly Auto-Thentics, onde os modelos eram de plástico transparente para que o interior pudesse ser visto.

Em seguida vieram outros modelos de metal dos anos 50 e 60 da série Auto-Thentics. Com o tempo outras séries foram surgindo e apareceram os “inevitáveis” muscle cars americanos, em grande profusão em várias séries, mas sempre mantendo o padrão das miniaturas iniciais.

Entretanto, as miniaturas surgiram para competir na faixa superior do mercado, com preço inicial de 4,99 US$ (mais taxa onde aplicável) por miniatura.

Nessa época as miniaturas mais completas nos EUA eram os Hot Wheels 100% ao preço de 9,99 US$ (mais taxa onde aplicável) por miniatura. Hoje quase 10 anos depois os M2 custam 5,99 (mais taxa onde aplicável) por miniatura, e os Hot Wheels 100% pararam de ser fabricados.

Inicialmente as miniaturas foram vendidas somente em caixas e posteriormente apareceram também para venda em cartela lacrada (blister). Hoje a caixa mudou um pouco e tem uma aba.

A M2 tem também uma linha menos detalhada, por assim dizer, de miniaturas mais básicas onde a diferença é nas portas e nos capôs que não abrem. Todos os outros detalhes, porém, estão presentes na série Drivers, que apresenta preço inferior a todas as outras séries da empresa.

Ainda assim podemos ver que os Drivers são muito detalhados, apenas sem partes móveis.

Outro ponto bem explorado pela empresa está nas séries Auto-Trucks (picapes e vans) e Auto-Haulers (caminhões com reboque).

Dentro das picapes produzidas há a série Ground Pounders onde os modelos são mais estilizados e “tunados”, não chegam a ser um “muscle machine”, mas são diferentes dos modelos da série Auto-Trucks e não possuem interior.

Nos Auto-Haulers os cavalos e carretas se revezam, mas não são muitos os modelos ainda.

A M2 tem uma série que poucos fabricantes têm: é a série Stretch Rods onde ela apresenta limusines, tanto as tradicionais como as tunadas.

As tunadas tem um enorme motor dentro além do motor tradicional na frente.

Ainda dentro das séries, a M2 apresenta sempre os mesmos modelos, mas em séries distintas com “algo mais” como são os casos das séries Auto Lift, que apresenta dois modelos em um elevador hidráulico de metal, ou a série Auto Wheel que apresenta o modelo com rodas extras para serem trocadas ou então uma combinação dos dois que seria a série Model Kit onde a miniatura vem em um elevador hidráulico e desmontada, com instruções e ferramentas para montagem e opção de peças.

Da mesma forma que a maioria dos grandes fabricantes de miniaturas, a M2 também tem seus modelos chase e super chase, abaixo, como exemplo, os modelos do Release 5B dos Auto-Thentics. Os chase são pretos com dourado e os super chase são cromados. Não necessariamente são o mesmo modelo como demonstram as fotos abaixo.

Por ser uma empresa americana a M2 tem foco em modelos americanos, mas em 2013 lançou modelos Volkswagen, tanto europeus como americanos. 

Os detalhes de motores e interiores são perfeitos.

A M2 anuncia para breve, modelos da antiga Datsun japonesa, mas ainda não mostraram nada, somente tem o aviso abaixo na página do “site”. Parece que os clássicos japoneses caíram no gosto dos americanos recentemente.

Embora o foco da Castline sejam miniaturas 1:64, ela também se aventura na escala de 1:24 e os modelos mantém o nível de qualidade dos menores. Todas as partes móveis, detalhes de pintura impecáveis e modelos no gosto popular.
Recém-chegada ao mercado tem com certeza a admiração de todos os colecionadores, mesmo os que não as colecionam. Seus modelos são excepcionais e se há alguma crítica a ser feita é a escolha dos modelos a serem produzidos, mas nunca na forma ou qualidade dos mesmos. Seu foco excessivo em modelos americanos acaba saturando o colecionador, mas parece que com a recém lançada linha dos Volkswagen e com o anúncio das miniaturas Datsun eles estão se internacionalizando um pouco mais nos modelos, o que deixa a nós colecionadores muito felizes.

Referências:

8 comentários:

  1. Uma das minhas marcas favoritas, tenho em meu acervo uma boa amostra dos modelos produzidos,automóveis americanos da decada de 50, muscle cars de 60 e início de 70, as fabulosas Pick ups, dentre elas as Studebakers, os Caminhões, mais recentemente os VW e agora vão partir para os clássicos japoneses, não tem como errar.

    ResponderExcluir
  2. Mais uma vez, obrigado ao Douglas e ao Maurício pela bela matéria. Realmente M2 é outro nível! É o caso onde vale a pena desembolsar um pouco mais pela qualidade.
    E as Kombis então... nem se fala, lindas demais, e os detalhes chegam a impressionar!

    ResponderExcluir
  3. M2 a melhor das melhores... Tenho todos os modelos dos anos 50...
    Quando vc recebe a miniatura é sempre 100% de satisfação... São minhas favoritas...

    ResponderExcluir
  4. Nem tudo considero 100%. A ausência de retrovisores externos nas miniaturas é uma negligência imperdoável. Sem esquecer que os modelos que abrem as portas têm alinhamento sofrível com a carroceria. Neste padrão de miniaturas considero estas falhas a se lamentar, não desmerecendo as demais qualidades já citadas.

    ResponderExcluir
  5. Além desse detalhe já citado do alinhamento das portas, o kit de montar também é terrível, as peças não encaixam direito, vem com muitas rebarbas, os eixos vem finos e não seguram as rodas, tive que fazer vários ajustes para conseguir montar um fusca, mas mesmo assim, ainda ganha de longe da Má ttel.

    ResponderExcluir
  6. Vale lembrar também, que as M2 são frágeis demais, falo isso por que as Minis tanto da Johnny como as GL são bem detalhadas, mas muito mais resistentes que as M2. Pronto falei.

    ResponderExcluir
  7. Muito lindas, chamam demais a atenção, pela beleza e pelo modelos diferentes, e são muito frágeis como dito acima, e com pneus extremamente finos em alguns. Tenho alguns modelos na coleção, admiro bastante a marca, mas para meu gosto falta um algo mais. Prefiro os JL e os GL, esses me agradam mais!

    ResponderExcluir