Coleciona

Destaques:

quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

Mattel utilizando trabalho escravo em suas fábricas?

A Asia é uma mina de ouro para grandes empresas americanas e européias: para fugir dos altos encargos trabalhistas, sindicatos e salários inflados de seus países de origem, as empresas preferem utilizar fábricas em países asiáticos, aonde a mão de obra é baratíssima e as leis trabalhistas são bastante "flexíveis", para se dizer o mínimo.

Para fazermos uma comparação rápida, o salário mínimo de um trabalhador americano é de cerca de $8 dólares por hora, enquanto no Brasil é de cerca de R$1,37 por hora. Na China e em alguns países da Asia, o salário em algumas situações é de $5 por dia ou até menos! 

Para diminuir tamanha injustiça, uma lei nos EUA estipulou que trabalhadores terceirizados de empresas americanas em outros países deveriam ter alguns benefícios similares ao do trabalhador americano. Com isso, algumas empresas voltaram parte da sua produção para os EUA, inclusive como uma forma de marketing para dizer que a empresa se importa com a melhora da economia local e com a recuperação do emprego. O caso mais emblemático é o da Apple, que está produzindo e montando alguns de seus computadores em seu país de origem.

Mesmo com novas leis que protegem o trabalhador das empresas americanas, e com o aumento de custos trabalhistas, no transporte e na manufatura de produtos na Asia, ainda é vantagem direcionar a produção para lá. É o caso da Mattel, que tem fábricas na China, Tailândia e Malásia. Parte da produção de Hot Wheels está sendo centralizada na Malásia, aonde há mais flexibilidade nas leis trabalhistas, e de onde vem um grande problema para eles: o desvio de miniaturas para o mercado paralelo. E isso tem uma explicação bastante óbvia: os trabalhadores mal remunerados encontraram um jeito de aumentar sua renda mensal com a venda de miniaturas mais desejadas para colecionadores do mundo todo, sobretudo para os americanos.

Em outubro de 2013, duas ONGs denunciaram, após um trabalho de investigação intenso, que a Mattel explora trabalhadores chineses em fábricas terceirizadas. A Mattel contrata fabricantes locais, e estes contratam funcionários que trabalham até 13 horas por dia por salários baixíssimos, e oferecem acomodações precárias para que os trabalhadores possam dormir e se alimentar em suas instalações, além de não receberem equipamentos de proteção e treinamento adequados.

Portanto, quando você for comprar o seu próximo Hot Wheels ou Matchbox, ou qualquer outro produto da Mattel, tenha em mente que este brinquedo pode ter sido produzido às custas do sofrimento de algum trabalhador que mora há quilômetros de você. A dica da matéria foi do leitor Ademir Descovi e você pode ler a matéria original da revista Info Exame neste link.

29 comentários:

  1. A Mattel deveria sofrer boicotes bem fortes com relação a seus clientes...pena que ninguem vai querer fazer isso...

    ResponderExcluir
  2. A Mattel é mais uma de centenas... Infelismente, está é a realidade do capitalismo. =/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. é isso ai Wylliam......ela é só mais uma.....

      Excluir
  3. "treinamento adequados"... acho que por isso os HW são tudo meio torto, nenhum controle de qualidade.... lamentável...

    ResponderExcluir
  4. Respostas
    1. é talvez a Maria DESCONFIAVA disso, provar é outra história, ou uma matéria mais investigativa como essa. É isso ai Douglas quem sabe eu revejo meus conselhos de MONOMARCA ou não sei lá...

      Excluir
    2. Eu também tive conhecimento desa matéria, já há alguns meses, mas como eu não queria ter que provar algo, deixei de lado, uma pena realmente, mas ainda temos que descobrir quem faz oq em cada país, antes de direcionarmos os comentários.
      Temos que investigar sim, pq se existe isso lá temos que nos unir e boicotarmos essa marca com certeza, e parabéns a vc Douglas pela coragem, pq agora vai chover criticas e acho até que processos contra vc.

      Excluir
    3. Isso é uma matéria batida e mais do que discutida há anos! Basta você ir trocando no título o nome "Mattel" por de outras empresas que o contexto será o mesmo.

      Concordo com tudo falado até aqui sobre a desumanidade e blá, blá, blá, mas... Será preferível receber a subsistência, ou morrer de fome num país com um exército de miseráveis? Aposto que muitos países africanos, com população em estado ainda mais precário, se disporiam a ter uma Mattel as explorando do que sua população às mínguas da miséria e fome.

      Culpa do Capitalismo, ou de seus Governos e políticas? Fácil culpar o sistema, mas não nos esqueçamos que muitos desses países adotaram no passado o socialismo como modelo econômico e político.

      Esperem pelos tais "20 anos de PT" pra ver o futuro glorioso que nosso país terá! E pensem bem sobre o tema em epígrafe na próxima vez (especificamente esse ano) na hora de fazer da urna latrina!

      Não é pra discutir e contextualizar, mas para se refletir... eu pelo menos reflito e MUITO!

      Abs!

      Excluir
    4. Sim, uma amostra desse "futuro glorioso" que nos espera será visto a partir de junho, no caos que tomará as cidades que receberão jogos da copa, e logo após, no estouro da crise econômica que já está se formando.

      Excluir
    5. Vallone, não adianta refletir. A eleição tá ganha já. Em primeiro turno.

      E isso não depende do que eu ou vc vamos votar. As urnas já chegam nas sessões programadas. Vivemos uma ditadura como nunca vimos.

      Excluir
    6. Lamentável, Douglas... Lamentável...

      Excluir
    7. Não tem como comprar algo hj em dia que não seja feito na china. "Bacana" é ligarem isso a politica. Saudade de quando o t-hunted tinha mais informação e menos politicagem.

      Acha abusivo o preço das minis? Pq uma mini que custa 1 dolar chega aqui a 6 reais? Não é só imposto. Saiu hj no noticiario que grandes empresas de cimento operavam um cartel há mais de 20 anos. É a velha ganancia humana. Trabalhei numa empresa que prestava serviço pra malwee e, advinha, todas as roupas da malwee vem da china... vai demorar muitos anos pra isso mudar, embora eu acredite que nunca vai mudar.

      E sobre a eleição... melhor a privataria dos tucanos, claro.

      Excluir
    8. Dante, então o T-Hunted não tem informação? Quantas matérias políticas vc viu aqui nos últimos 5 anos?

      Excluir
    9. Toda vez que entra a política como tema sempre aparece quem se posiciona nesse bipartidarismo PT/PSDB, como no passado eram ARENA e MDB e muito antes PTB e PSD (na época do Getúlio Vargas). O que me cansa é que para justificar alguma coisa os governistas ficam olhando pelo retrovisor e dizem "mas antes era pior" ou ainda "estão vendo o PSDB também é corrupto". Ou seja, grande novidade!
      O T-Hunted não é um fórum político, apenas essa matéria que nos revela a exploração do grande capital sobre os países em desenvolvimento que condicionam sua população para atender as necessidades de seus governantes e não o povo, como deveria ser. A exploração do homem sobre o homem pouco mudou desde a antiguidade, em vez de escravos somos assalariados, mas continuamos a construir pirâmides para os faraós.
      Em relação as eleições, com um governo que esmola pessoas e tem no populismo sua maior arma, não se pode duvidar de manipulação inclusive, pois certos eleitos atingem números expressivos de votos, o suficiente para mantê-los no poder. E não me digam que hoje está melhor do que antes, como se isso quisesse dizer que mudou alguma coisa. Continuamos sendo explorados e recebemos as migalhas em vez do pão.

      Excluir
  5. Isso vale pra qualquer coisa fabricada na Ásia... minis, eletrônicos, etc

    ResponderExcluir
  6. É só ver as condições do povo na China, Laos, Tailândia, Singapura, Laos, Vietnan e por aí vai...ou vocês acham que os preços baixos da China e dos outros "tigres asiáticos" que não tem competição em lugar nenhum do mundo, são um milagre? Parte do segredo está nos salários aviltantes pagos aos trabalhadores. Agora se tivermos que boicotar produtos fabricados nessas condições, não compraremos mais nada, pois tudo vem de lá!

    ResponderExcluir
  7. Mais do mesmo... Se fosse só a Mattel que fizesse isso estava fácil de resolver.
    E as outras marcas de miniaturas? E as marcas de eletrônicos? E as marcas automobilísticas? E as marcas de pneus? E as marcas de roupas? E as marcas de "gifts" lembrancinhas de parques temáticos do mundo todo?

    O problema não são os fabricantes que se instalam por lá e abusam da mão de obra, mas sim o país que tem (quando tem) uma legislação trabalhista que permite isso.

    A China, por exemplo, tem um sistema penal e político ditatorial nos moldes do socialismo, mas no financeiro bem capitalista e então muitos criticam que o capitalismo é o culpado.
    Socialismo não deu certo, capitalismo é "selvagem"? Sim. Mas existe outro modelo político pronto para substituí-lo que seja melhor? Não.

    Então, "bola pra frente", porque se deixarmos de comprar miniaturas Mattel, compraremos de outras marcas que fazem o mesmo, ah, também não poderemos mais comprar computadores, tablets e smartphones também.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo plenamente, absolutamente mais nada a acrescentar.

      Excluir
  8. Isso sempre foi óbvio, por isso nunca compro coleções especiais que são os mesmos carrinhos da linha básica só que com outra cor e uma rodinha de borracha. Acham mesmo que só por colocar uma borracha na roda o valor pula de 5,99 para R$ 20 ?

    Nós pensamos "Coitados dos asiáticos produzindo através do trabalho escravo"
    Os Asiáticos que produzem os carrinhos pensam: "Esses ocidentais não são muito espertos, produzimos um carrinho por 0,15 centavos e eles pagam 20.00 reais".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os asiáticos não pensam nada, eles apenas trabalham, e muito. Quem "pensa" e decide os preços são os red-necks americanos nas salas climatizadas da sede da Mattel nos EUA

      Excluir
  9. Não adianta só querer detonar os governos desses países pq quando o próprio brasileiro tem essa oportunidade ele mesmo faz... quer um exemplo, olha ai quantos Bolivianos não trabalham em condições escravas nessas manufaturas de roupas aqui mesmo em terras tupiniquins.... Claro que não concordo com isso, porem o capitalismo sempre criou e sempre vai criar esse tipo de exploração, infelizmente...

    ResponderExcluir
  10. Parabéns, Douglas, pela publicação. Ter um hobby e dedicar-se a ele é uma coisa muito bonita e sadia. Agora, ser um colecionador alienado de bugigangas que compra tudo o que esse sistema produz (a custa da exploração humana e visando lucro) é deplorável. Precisamos saber diferenciar bem o que de fato queremos do que é produzido massivamente pelo sistema. Mais uma vez, meus parabéns. É isso aí. Mais hobby e menos consumismo! Mais qualidade e menos lixo.

    ResponderExcluir
  11. Excelente matéria, Douglas, pois é sempre bom lembrar disso para não perdermos o pouco de humanidade que ainda nos resta (ao menos na consciência).
    Mas, convenhamos, todos nós já sabíamos, incluindo eu, você e a Maria Eduarda Prado.

    ResponderExcluir
  12. Douglas antes de tudo parabéns pelo post pois é corajoso ao postar algo que mostra o lado ruim do conteúdo do blog, pois é como se uma emissora de TV falasse mal do seu próprio programa...

    Concordo com o Adriano Cesari pois é da raça humana e isso sempre existiu e sempre vai existir, não é exclusividade dos países da asia.... e também concordo com o Marcos Silva por que não precisa ir muito longe é só olhar a etiqueta de fabricação do mouse que você está segurando ou do teclado e veja onde foi feito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho minhas dúvidas se a exploração de semelhantes, para obter cada vez mais LUCRO (dinheiro) e PODER (dominação), seja realmente uma características inata da ESPÉCIE humana (pois não ocorre em algumas culturas) ...Ou se isso é coisa que tentam enfiar em nossa cabeça, apenas para perpetuar esse sistema desumano e deplorável. Incrível isso ser aceito e propalado (a exploração) em um País onde grande parte da população se diz "religiosa", porque essa prática é o oposto de tudo o que eu entendo por "Cristianismo". Bem, provavelmente alguém vai postar um comentário aqui, dizendo, "essa discussão não tem nada a ver com religião" ou "política" (como já disse alguém). Ah, tá bom. Então me desculpem a hipocrisia. Somos todos humanos, né? ...Não me engana, que eu não gosto, por favor. Valeu, Douglas. Entendo que seu Blog tem mais a ver com nós, colecionadores, do que com essas criaturas ávidas por DINHEIRO & PODER. Abração.

      Excluir
    2. Por lá não se pratica o "cristianismo" e sim o "Budismo - Induismo" e tantas outras que não são cristãs aos preceitos de Deus, pq o "Deus" deles, não é mesmo nosso.
      Mas acho válida essa discussão, pois somente assim podemos aprender uns com os outros.

      Excluir
  13. "É errado, é feio, é desumano, mas [insira justificativa acomodada e conveniente sobre abuso de seres-humanos mas aqui]"

    ResponderExcluir