Coleciona

Destaques:

domingo, 27 de março de 2016

Mais de 30 mil miniaturas em uma casa doada para a igreja!

Uma das histórias de maior sucesso da semana (depois das histórias da Lava Jato), foi a de um americano que deixou como herança para a igreja local a sua casa. Mas a surpresa veio quando os membros da igreja foram visitar a casa e encontraram mais de 30 mil miniaturas, sem contar os carros reais! Tudo será vendido e revertido em fundos para a igreja.

Além da coleção, foram encontrados cadernos com informações sobre os carros que ele mantinha desde seus 9 anos. Veja o vídeo abaixo e pense: o que será da sua coleção quando você morrer? Mais informações sobre a coleção neste link.

11 comentários:

  1. Que loucura!!! só tinha visto uma parte desse video! O cara cuidou muito bem da coleção e a igreja vai ter um incrível fundo para as obras da instituição!

    ResponderExcluir
  2. Já passei a responsabilidade a meus filhos, o problema é deles, por enquanto só são 3.900 miniaturas na maior parte na escala de 1.64, o que vão fazer após minha morte fica a critério deles.

    ResponderExcluir
  3. Que loucura!!!
    Que doidera hahah o paraíso para qualquer colecionador kkk

    Fantástico.

    ResponderExcluir
  4. Derrepente, bateu vontade de fazer serviço voluntario para essa igreja...

    ResponderExcluir
  5. Prezados, não é o meu caso, aliás nem de longe mas já pensei nisso... para quem vai ficar e pensando em quem vai receber modelos de 10, 20, 30 e até mais de 50 anos de existência, será que vai dar valor devido ou vai deixar a criançada destruir? Então, parte da minha coleção em torno de 2000 peças hoje, será vendida por mim como venho fazendo e trocada por outras peças mas a parte boa da coleção - que tem Lesney Moko, Dinky Toys, Meccano, Husky, e tantas outras marcas hoje sequer lembradas- diante da ausência de comprador poderia até mesmo ser doada em vida para alguma instituição séria que cuidasse disso.
    Nesse caso, meu candidato a "curador" do "Museu do Modelismo Die Cast Brasileiro", a ser fundado, não pode ser outra pessoa que não o fundador e mantenedor do site "T-hunted". Dica - tinha até a década de 80 em Caçapava o museu do automóvel do Roberto Lee. Parece que tiveram um problema com a Prefeitura mas depois foi reativado. Tinha lá uma área de modelismo, com carrinhos das mais remotas décadas, que tinham sido do pai dele... Isso em 1980!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O filho do João Batista Sérgio Murad, mais conhecido como Beto Carrero está concretizando um museu de miniaturas. Sua coleção é imensa. No fundo, isso é o legal de colecionar. Poder mostrar aos outros o que você possui e inspirar um hobby. Diferente de "encontros" onde o cara leva 3 caixas de minis lacradas com a etiqueta de preço.

      Excluir
    2. Prezados, a ideia de um museu, ou uma instituição séria com objetivo de preservar e expor miniaturas é muito conveniente. Já pensei nesta situação de legado, quantas coleções não param no lixo porque os herdeiros não dão o valor devido? Apoio integralmente a ideia e pensaria seriamente em testar a minha coleção. Aliás, testamento é algo que o brasileiro praticamente desconhece.

      Excluir
  6. Prezado Comendador,
    Obrigado por me contar isso. Ele tem seriedade e alicerce para manter algo assim. Aliás estive em uma oportunidade com o Pai dele e era uma pessoa muito diferenciada. Legal saber que está organizando o museu e estou 100% de acordo com o Sr. quanto aos encontros que já estão perdendo a graça... Abraço e sucesso!!

    ResponderExcluir
  7. Minha coleção tem 4 herdeiros.... eles que vão decidir o que fazer com os seus 25% que lhes correspondem... espero que eles sigam meu legado... hj tenho em torno de 2000 minis.... mas quero curtir elas ainda mais....

    ResponderExcluir
  8. Americanos são candidatos perfeitos a esse tipo de situação pois têm uma economia estável, grande poder de compra e incentivo ao consumo de quase tudo. O ritmo de acumulação deles é muito maior do que um colecionador brasileiro médio. Pessoalmente, eu não quero chegar a esse ponto, pois há um limite para tudo.

    ResponderExcluir