Coleciona

Destaques:

domingo, 18 de setembro de 2016

A história da Corgi Jr

Hoje tem uma das matérias mais longas de domingo, mas também uma das mais interessantes contadas pelo nosso amigo e colaborador Mauricio Nunes! Clique aqui e veja todas as postagens do Mauricio sobre a história do nosso hobby.

A história da Corgi Jr começa quando a da Husky termina, como já vimos em outro artigo neste blog (“Um pouco da história da Husky” - 01 de maio de 2016).

A decisão da Mettoy de terminar com a linha Husky e renomear essas miniaturas como Corgi Jr ampliou o alcance das vendas. Inicialmente as rodas originais Husky permaneceram, apenas o nome do fabricante foi mudado para Corgi Jr. 

A Corgi, sentiu o golpe do lançamento dos Redlines da Mattel, e em outubro de 1969 sua resposta foram as rodas “whizzwheels” que foram colocadas em parte das antigas miniaturas Husky e nas Corgi Jr e criados assim os Corgi Rockets, os “foguetes Corgi: em uma tradução literal. Entretanto a Corgi Jr competia com as whizzwheels com a Mattel e cobrava um preço “premium”: um shilling (= 5 pence), a mais no atacado pelas miniaturas com as rodas whizzwheels, pois os modelos eram ditos realísticos e não as fantasias dos sweet sixteen da Mattel.

As miniaturas eram vendidas em caixa com visor, caixa fechada ou “blister” a depender da época e local de venda das mesmas.

A Corgi sempre se apoiou na venda de miniaturas ditas temáticas, de filmes e TV para incrementar suas vendas.

A Mettoy tomou a decisão que somente competir com a Mattel e a Lesney na linha de miniatura de baixa fricção para pistas não era suficiente e resolveu inovar. Para isso, adicionou mais um item diferente às miniaturas Corgi Rockets para atrair as crianças. Os Rockets tinham chassi de nylon que podiam ser soltos do corpo do veículo com uma chave dourada, personalizada que era vendida junto com a miniatura. O chassi após retirado, podia ser limpo e lubrificado com o especial “Rocketlube” e com um lubrificador como se fosse uma caneta com ponta de feltro só que com óleo para lubrificar os eixos e rodas dos Rockets. 

Os Corgi Rockets tinham um sistema de pintura que na verdade era uma deposição eletrolítica de cromo sobre as miniaturas seguido de um verniz, o que dava uma aparência semelhante a pintura spectraflame da rival Mattel.

Em 1971 a Corgi perdeu no tribunal uma ação impetrada pela Mattel sobre pistas e isso pois fim as pistas Corgi Rockets. 

A Corgi ficou prensada entre a perda do direito para a Mattel, de produzir e vender suas pistas e os carros realísticos da Lesney Superfast que corriam tão bem como os whizzwheels ou redlines em pistas, a preço mais barato. Em 1972 novo golpe atingiu os Corgi Jr pois essa estratégia de cobrar um preço premium no atacado por suas ditas miniaturas rápidas e realísticas implodiu e foram obrigados a baixar o preço premium dos whizzwheels para continuarem competitivos, pois sem as pistas próprias não havia razão para o público pagar mais pelos Corgi Rockets whizzwheels.

Uma linha interessante que a Corgi tinha eram os Corgi Growlers. Esse nome estranho é por que a miniatura fazia barulho quando rodava. Um mecanismo simples de uma roda dentada ligada a roda da miniatura fazia uma paleta de plástico na base do veículo vibrar em contato com a roda dentada e o próprio corpo do veículo fazia as vezes da caixa de ressonância e o veículo fazia barulho como se estivesse com um motor trabalhando.

Essa batalha por mercado entre as três empresas (Corgi, Lesney e Mattel) fez a Mattel perder mais de 50% de seu mercado de miniaturas de três polegadas e acabou forçando uma mudança nos redlines, onde foram obrigados a baixar custos para voltar a competir com Lesney e Corgi Jr e acabaram com as bases de metal, as rodas redlines deram lugar as tradicionais rodas Hot Wheels e as pinturas Spectraflame foram cortadas das linhas de combate.

Todos esses percalços, estratégias erradas e alta competitividade do mercado levaram a Corgi Jr a insolvência em 1983. 

Em 1989 a rival Mattel comprou o que restava da Corgi Jr e relançou os modelos em embalagens blisters, com a marca fantasia Corgi Auto-City (sem o cachorro Corgi na logomarca).

A compra da Corgi Jr e seus moldes fez a Mattel utilizar esses moldes em sua linha Hot Wheels. Dessa forma, existem modelos originalmente Corgi Jr, que saíram tanto como Corgi, como Hot Wheels

É possível ver na base do modelo London Taxi Hot Wheels que a base foi preenchida com metal para colocar o logo Hot Wheels sobre o original Corgi Jr e o “feito na China” em substituição ao “feito na Grã-Bretanha” do modelo Corgi Jr.

Não ficou só no London Taxi o aproveitamento dos moldes Corgi Jr. Outros exemplos são o Ford Transit Wrecker e o modelo genérico Mobile Cement Mixer, só para citarmos alguns.

A base do modelo da Mattel foi modificada na parte superior para mostrar o fabricante e local de produção diferentes do da Corgi Jr.

Nesse modelo foi preciso modificar o molde da base para substituição do sistema de molejo da Corgi Jr que a Mattel não utiliza.

Esse sistema de molejo, utilizado pela Corgi desde os tempos da Husky, sempre foi um ponto fraco, literalmente na miniatura, pois por ser uma aba de plástico em balanço, com o forçar da mesma essa cedia ou até mesmo quebrava. Criada como redução do peso e do uso de metal na base nas miniaturas da antiga Husky, esse sistema sempre se mostrou deficiente e hoje é difícil encontrar miniaturas da época com a suspensão perfeita.

Ainda dentro dos whizzwheels a Corgi Jr tinha uma linha dedicada aos “super-heróis” onde as miniaturas tinham o super-herói em plástico dentro. Parece ter agradado a criançada da época, mas geralmente tinha figuras grotescas.

Normalmente eram veículos de linha onde eram colocadas as figuras, mas alguns casos foram criados veículos especiais, como o do Super Homem.

Como outros fabricantes de miniatura, a Corgi nos anos 80 veio para o Brasil pelas mãos do investidor A. Kikoler que montou uma linha de miniaturas no Brasil. As miniaturas Corgi Kiko eram vendidas no Brasil para fazer concorrência as Matchbox Inbrima e as Siku Rei, sempre com o objetivo de serem mais competitivas sem ter que pagar todos os impostos e taxas alfandegárias da época, aplicados a produtos importados.

Como toda grande empresa de venda de miniaturas, a Corgi tinha complementos às miniaturas de três polegadas, como modelos maiores como a Corgi Super Junior, que equivaleria aos Super Kings da rival Matchbox, e também vendia miniaturas em estojos com várias miniaturas e cidades/construções para serem usadas nas brincadeiras com essas miniaturas.

Entre 2005 e 2010, quando Londres estava se candidatando para ser sede dos Jogos Olímpicos de 2012 a Hornby produziu, pela sua controlada Corgi, miniaturas três polegadas para suportar os atletas britânicos. Ela lançou dois modelos de ônibus “double decker”, um moderno e o outro antigo, assim como dois modelos de Mini Cooper, um da Austin e outro da BMW. Além disso, lançou o tradicional táxi londrino da Austin pintado em cores distintas, com logos de cada um dos esportes olímpicos e paraolímpicos dos jogos de Londres 2012.

Recentemente a Hornby “holding”, dona da Corgi, resolveu lançar miniaturas de metal com base de plástico em escala 1:76.

Essas miniaturas são bem detalhadas, mas ainda não existem em muita variedade. A diferença de escala não prejudica muito, pois fica perto da escala três polegadas no caso de veículos maiores, que parece ser o foco dessa nova linha da Corgi.

A propaganda não é para miniaturas para pistas, e sim algo de metal para durar como brinquedo (built to last).

São vendidas separadas em blisters ou em caixa com cinco miniaturas, ou ainda em pequenos sets com base e construções de plástico.

Nosso foco são as miniaturas de três polegadas da Corgi Jr, mas não podemos deixar de mencionar a Corgi com suas miniaturas escala king size (próximo a 1:43).

Essas miniaturas maiores foram o início da Corgi, e até hoje do que restou da antiga Corgi, ainda servem como principal fonte de receita.

Hoje, por essas voltas do destino que acontecem, a Hornby, através da Corgi é depositária da marca Days Gone, da antiga Lledo que foi fundada por Jack O’Dell, antigo gerente geral da Lesney, que após 1982, quando da falência desta, comprou os moldes e maquinário de produção dos antigos Lesney Models of Yesteryear (MOY) e fundou sua empresa (Lledo) e produzia, inicialmente os antigos MOY com nome de Days Gone. Esses, hoje pertencem a Corgi.

Podemos dizer que a Corgi Jr foi uma rival real e a altura da Lesney e Mattel nos anos 70 e não há maior homenagem a uma empresa comprada por uma rival do que ver seus produtos originais renomeados com a marca do novo dono e antigo concorrente.

De mesma forma que a maior parte das grandes marcas fabricantes de miniaturas de três polegadas, ao longo dessas quase cinco décadas, a Corgi Jr teve vários donos, faliu, se levantou de novo, definiu novas áreas de atuação e tenta continuar se reinventando com essa nova tentativa na escala 1:76. Hoje ela pertence a Hornby, uma gigante de brinquedos, que entre outras subsidiárias tem a Hornby Hobbies Ltd, dona das marcas: Hornby (trens elétricos), Scalextric (autoramas), Superslot (autorama), Airfix (plastimodelismo etc.), Corgi (miniaturas de metal), Humbrol (tintas para uso em plastimodelismo) e Pocher (miniaturas de metal esc. 1:8).

Fato marcante é que suas miniaturas antigas deixam saudades nos colecionadores, pela riqueza de detalhes e variedade de modelos produzidos.

Referências: 
Force, Edward and Jeff Bray. 2005. Corgi Toys. Atglen, PA: A Schiffer Book for Collectors, Schiffer Publications.
Ragan, Mac. 2000. Diecast Cars of the 1960s. Osceola, WI: MBI Publishing Co.

3 comentários:

  1. Parabéns Maurício e Douglas, por mais esta excelente matéria!
    É pena não podermos contar com mais esta marca em nosso mercado. Talvez tenhamos que retornar ao passado e, assim como fizeram Kiko, Inbrima e Rei, fabricarmos nossas próprias versões destas miniaturas fantásticas, para fugirmos dos altos impostos.

    ResponderExcluir
  2. Esses sim fizeram parte da minha infância!!! Muito bom conhecer a história. Parabéns!!!

    ResponderExcluir
  3. Sensacional!
    São minis diferenciadas e muito nostálgicas nos seus moldes e detalhes. Gosto muito da marca, e não me arrependo de nenhum centavo gasto nos vários modelos que tenho.

    ResponderExcluir